Home
HOMILIA DO SUPERIOR REGIONAL NO PRIMEIRO DIA DA ASSEMBLEIA DE FORMAÇÃO
Região do Brasil

alt

Estamos celebrando a liturgia de nossa Fundadora, por ocasião dos 10 anos de canonização, usando os textos oficiais, Maria aos pés da Cruz, sabendo que há um outro opcional, aquele de colocar o menino no centro.

Este texto lembra com certeza a ligação profunda entre a nossa fundadora e nossa Senhora das Dores, Adolorata, aos pés da cruz, acho por três razões fundamentais.

A primeira razão desta ligação é com certeza a mais original, ligada à experiência espiritual de nossa fundadora, da sua relação com Nossa Senhora das Dores, que é a mulher capaz de suportar os sofrimentos da vida. Quando ela fala de nossa Senhora das Dores fala como aquela mãe que foi capaz de passar através das dificuldades, do sofrimento, da morte do filho e permanecer fiel, permanecer firme na fé. Portanto é modelo antes de tudo de uma humanidade plena, de uma fé capaz de passar os momentos difíceis, uma mulher perseverante. Passar pelas coisas severas e manter a fé. "Sejais perseverantes", dizia ela às suas noviças.

A segunda razão é evidentemente o socorro, criado ao redor desta dimensão que é a assunção da nova maternidade. Com certeza esta capacidade de Maria de renovar a sua maternidade assumindo como novos filhos os discípulos de Jesus, a Igreja, a dimensão da humanidade, estimula e lembra a capacidade também de Santa Paula de passar de uma maternidade que parecia terminada com a morte de seu filho Carlos à uma nova maternidade, assumindo os pobres, os  órfãos, os últimos. Portanto uma maternidade que cresce se espelhando na maternidade de Maria.

Mas acho que há ainda uma terceira razão que nos ajuda a entender nossa relação também com este Ícone, com Jesus na Cruz. As palavras são dele, não são nem de Maria nem do discípulo. Jesus constitui aos pés da cruz uma nova família. A nova família nasce aí naquela cruz, a verdadeira família. "Mãe eis o teu filho. Filho eis a tua mãe". É uma nova família, a família da fé. Com certeza no contexto de São João alguns estudiosos falam que é a família constituída da Antiga e da Nova Aliança; Maria que representa com este título de mulher, a Aliança  Antiga e o Discípulo Amado que é a Igreja, o novo povo que se casam juntos. Mas mais humanamente esta nova família, constituída pelos laços de uma maternidade e de uma relação filial encontra, além das dimensões físicas, humanas, carnais, uma dimensão mais verdadeira.

Gostei de uma frase que o Roberto, o rapaz que tocava na banda durante o Juce, deixou, uma imagem muito linda: "se nas veias dos irmãos corre o sangue de igualdade, o sangue que corre nos irmãos em Cristo é o mesmo sangue de cristo. O sangue que corre em nós como família é o sangue de cristo, portanto, embaixo da Cruz, quando o sangue de Cristo é derramado nasce uma a família. Corre em Maria e no Discípulo amado o mesmo sangue  que é o novo sangue, o sangue de Cristo, Portanto, em nós, nós somos irmãos porque em nós corre o mesmo sangue, o sangue de Cristo. Portanto para renovar a nossa fraternidade devemos recorrer continuamente ao sangue de Cristo para recuperar a nossa fraternidade. É por isso que queremos partilhar um pouco desta fraternidade ao redor da mesa na qual ainda hoje Jesus irá derramar o seu sangue. Desta cruz nasce novamente uma nova família. Possamos nos tornar mais uma vez mais irmãos, mais Família em Cristo.

 

 
EX-TESOUREIRO E MEMBRO DO CONSELHO DE ECONOMIA DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA MORRE EM ACIDENTE
Peabiru

alt

Claudio Iamagamim, mais conhecido como Claudinho ou Claudinho do Depósito, morreu no início desta noite do dia 22 de maio quando, ao se deparar com um acidente resolveu parar para ajudar as vítimas, sendo atropelado por outro veículo que estava em alta velocidade ao entrar na pista.

Fiel da Paróquia São João Batista, Claudinho era membro do Conselho de Economia e Administração, além de grande colaborador da Pastoral da Criança.

Homem simples, mas de grande fé, viveu com intensidade a última reforma na Igreja Matriz de Peabiru. Segundo Pe. Wagner Zacarias Rufino, então Pároco, ao pensar na Capela do Santíssimo Sacramento ele dizia que “tem que ser um ambiente gostoso, tranquilo, acolhedor e que leve à oração”. Depois de pronta a capela ele dizia que ficaria horas e horas ali sem nem ver o tempo passar.

A Paróquia São João Batista sente muito esta perda, depois do falecimento do Adinael no último dia 17, outro membro da comunidade paroquial e ex coordenador da Capela Imaculada, e expressa profundos sentimentos de pesar à esposa Neide e aos filhos Jader e Aline.

Daí-lhe, Senhor, o descanso eterno e a luz perpétua o ilumine. Descanse em paz. Amém.

Pascom Assai

 
ASSEMBELIA REGIONAL FORMATIVA
Região do Brasil

alt

“Tornar-se irmãos na escola da Santa Família.”

Com esta reflexão proposta por Pe. Cezar Luciano, Conselheiro geral e Padre Mestre do Noviciado de Curitiba, os Religiosos da Região Brasil iniciaram, no dia 20 de maio, em Jandira a Assembleia Formativa.

Os trabalhos tiveram início com a Oração das Laudes e em seguida na sala de reuniões a saudação do Superior regional Pe. Robreto Maver.

Num clima marcada pela espiritualidade Pe. Cezar nos proporcionou um momento de reflexão sobre a dimensão familiar e comunitária à luz da Palavra de Deus especificamente os primeiros dois capítulos de Mateus e Lucas, às luz dos escritos da Fundadora (carta de 02/11/1865, das Constituições e do documento Vida Fraterna em Comum, além da atual carta do Superior geral Pe. Gianmarco Paris.

A Assembleia se estenderá até o próximo dia 22.

alt alt

 
Paróquia São José celebra 10 anos de canonização de Santa Paula
Assaí
No dia 16 de maio de 2004, o Papa João Paulo II reconhecia a santidade de Paula Constância Honorata Cerioli, fundadora da Congregação da Sagrada Família de Bérgamo.
Constância Honorata Cerioli, nasceu em 28 de janeiro de 1816 em Soncino (Cremona –Italia). De família nobre, recebeu a primeira educação em casa e em seguida como interna no Mosteiro da Visitação em Alzano Lombardo.
Aos 19 anos casou-se com Caetano Busecchi Tassis, de 58 anos. Deste matrimônio nasceram 4 filhos, três morreram logo, enquanto o segundo, Carlos viveu até os 16 anos. Em 1854 morreram o filho e o esposo. Neste momento de dor, a partir de um grande processo de discernimento, aconteceu uma transformação radical em sua vida.
Contemplando Maria aos pés da cruz, Constância entendeu o valor da maternidade espiritual e, relembrando as palavras do filho Carlos no momento da morte: "Mãe, não chore, o Senhor lhe dará muitos outros filhos".

Ela mãe sem filhos, é iluminada pelo mistério de nossa Senhora que junto à cruz, ouve de seu Filho Jesus, morrente: "Mulher eis o teu filho", e se abre a uma nova maneira de viver como mãe, acolhendo e se deixando guiar em sua vocação materna pelos apelos de Deus nos filhos sem mãe e sem esperança de futuro, especialmente da classe camponesa.
Abandonando os privilégios da sua condição nobre, em 1857 assumiu o nome de Irmã Paula Elisabete, consagrando-se totalmente a Deus e acolhendo em seu palácio meninas pobres e órfãos, dando início ao Instituto das Irmãs da Sagrada Família. Em 1863 conseguiu realizar seu grande desejo de iniciar uma obra também para os meninos pobres do campo, dando início à Congregação dos irmãos e padres da Sagrada Família. Na total doação de si, a condessa Constância tornou-se a simples irmã Paula Elisabete, vivendo em suas casas, com suas irmãs, irmãos e filhos de maneira pobre com os pobres.
Morreu na véspera do natal de 1865, aos 49 anos de idade, deixando um grande exemplo de vida cristã. Suas obras cresceram e a seu exemplo, seus seguidores inspirados pela espiritualidade da Sagrada Família, são chamados à missão de evangelizar e educar, para comunicar a todos a paternidade e maternidade de Deus que a todos ama e quer feliz.
A Paróquia São José de Assai celebra os 10 anos da canonização de Santa Paula com uma celebração no Santuário dedicado a ela e localizado na Vila São Pedro.
 
Jovens assaienses participam do 4º JUCE
Assaí

Pe. Cezar Nos dias 1º a 4 de maio de 2014, aconteceu na Paróquia Santo Inácio Mártir e Santa Paula Elizabete de Curitiba o 4º Juce (Juventude Cerioliana). Realizado pela Congregação da Sagrada Família de Bérgamo, o evento visa promover o encontro dos jovens das paróquias atendidas pela CSF com o carisma particular da congregação e possibilitar a vivencia de momentos de oração, reflexão, partilha e diversão. O encontro desse ano teve como tema “Mais que amigos, irmãos, segundo a espiritualidade da Sagrada Família, e contou com a presença de mais de duzentos jovens de cidades como Peabiru, Jandira, Itapevi, Montes Claros, Curitiba e Assaí, que enviou 7 jovens. Padre Cezar Luciano Ernandes Fernandes, Conselheiro geral, Reitor do Seminário Maior da CSF e Pe. Mestre do Noviciado destacou: “o encontro do JUCE foi uma experiência muito bonita, tivemos aqui mais de 200 jovens nesses quatro dias de encontro, de oração e de muita alegria, que foi o que realmente caracterizou esses dias. Os jovens que aqui vieram, voltaram com uma carga muito boa de espiritualidade e de vontade de viver juntos aquilo que foi o JUCE, mais que amigos, irmãos, segundo a espiritualidade da Sagrada Família. E o que a gente espera é que realmente nas comunidades, nas paróquias os jovens possam estar promovendo essa fraternidade, colaborando nas pastorais, nos movimentos e dando a própria contribuição onde estão. Que a experiência do JUCE não fique somente aqui conosco, nesse momento de festa, mas que possa ser levado para os outros jovens nas paróquias e comunidades”. Padre Cezar também agradeceu a presença dos jovens de Assaí.

Votos Perpétuos

O JUCE encerrou com uma celebração muito importante para a Congregação da Sagrada Família de Bérgamo, na qual os jovens Alexandre Surdi, Diego Gabriel e Luiz Pazian professaram votos em perpétuo. A celebração foi presidida pelo superior regional, pe. Roberto Maver e concelebrada por outros padres da CSF, entre eles, Pe. Wagner Zacarias Rufino, que é Vigário Regional e Pe. Geronimo Zonca, atualmente pároco da Paróquia Bom Pastor de Serrinha-BA.

Pascom -Assaí

 

 
Dom João Bosco é nomeado bispo de Osasco (SP)
Jandira
O papa Francisco acolheu o pedido de renúncia apresentado por dom Ercílio Turco, em conformidade com o cânon 401.1 do Código de Direito Canônico, e nomeou hoje, 16, como bispo da diocese de Osasco (SP), dom João Bosco Barbosa de Sousa, OFM, transferindo-o da sede episcopal de União da Vitória (PR).
Trajetória
Dom João Bosco Barbosa de Sousa é natural de Guaratinguetá (SP), membro da Ordem dos Frades Menores (OFM). Foi nomeado bispo em 03 de janeiro de 2007, sendo ordenado no dia 23 de março do mesmo ano. É bispo de União da Vitória desde 30 de março de 2007. O lema “Cristo nossa vitória” conduz a missão episcopal de dom João Bosco que atualmente é presidente do Regional Sul 2 da CNBB.
Com formação em jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) e Comunicação Social pela União Católica Internacional de Imprensa, dom João Bosco dedica-se aos trabalhos da Pastoral da Comunicação, com experiências em mídias audiovisuais, rádio e televisão. Em 2013, integrou a comissão do texto base da 51ª Assembleia Geral da CNBB.
Fonte: CNBB
 
SEMANA SANTA EM ASSAI
Assaí

A Paróquia São José celebrou solenemente o Domingo de Ramos, marcando assim a abertura da Semana Santa. A celebração teve início com a Benção dos Ramos em frente a sede da Defesa Civil, seguida pela procissão que tomou as ruas e avenida da cidade. 

Ja no interior da Igreja Matriz, totalmente tomada pelos fiéis que alojados também no presbitério, o pároco, Pe. Wagner, traçou as linhas da espiritualidade desta semana e exortou os fiéis a participaram com devoção e compromisso desta Semana Santa, enfatizando, sobretudo a importância do Tíduo Pascal.

Pascom Assai

ramos

alt

Leia mais...
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL